quinta-feira, 30 de maio de 2013

Um bebê e uma surra

Olá a todos

Primeira postagem do ano no "Filho" e num dia em que vi coisas bem interessantes. Talvez não tão interessantes assim. Filho, hoje fui na casa de um amigo que foi pai recentemente. Esta visita estava agendada desde a semana passada e sempre estava sendo adiada. Mas hoje, feriadão, era um bom dia para ir lé ver o menino. Cheguei lá com sua mãe e vi o menininho deitado na cama. Eles estavam preocupados em deixar o menino sozinho no berço. Vinha aquele pensamento: " Vai que ele sufoca ou vira de mal jeito no berço". Então ele ficava ali aproveitando a imensidão da cama dos pais. Fiquei observando, filho, aquele pedacinho pequenininho de gente, que deve estar pensando "onde estou? quem são vocês? Enfim. Sua mãe ficou toda boba com aquilo tudo, toda a dedicação para que ele tenha o melhor. Os pais não dormem,  o tempo todo cercando de cuidados, filho, e com você não será diferente. Assim eu espero e espero muito.

Por outro lado, a noite terminou com uma cena não muito legal. Enquanto levava sua mãe para casa, filho, vi um pai repreendendo severamente um filho. Primeiro com um ponta pé. A rua estava escura e fria, quase deserta. Havia chovido minutos antes. Mas no momento da cena, apenas chuviscava lentamente. O filho ameaçou correr e o pai gritou "Não corre não, que vai ser pior", e deu um tapa violento na cara do garoto. Ele ameaçou correr de novo. O pai estava embebido em uma fúria feroz, estava muito embrutecido mesmo. Deu mais um tapa violento no rosto da criança que devia ter seus 11 anos ou mais, talvez menos. Saiu da  minha vista antes de saber se ele continuaria apanhando. Fiquei muito triste ao ver isto filho. É uma cena comum por aqui, mas que costuma acontecer mais dentro de casa do que fora. A frustração do pai era grande, seja qual tenha sido a malcriação do filho, ele recebeu uma punição muito maior do que o crime que deve ter cometido. Temi filho, temi sim. A violência tem sido largamente usada na educação dos filhos. E para uns dá resultado e  outros não. A violência excessiva é algo abominável sempre, machuca e só ajuda a trazer ódio e ressentimento. Enfim filho, vejo o horror para não repeti-lo, não passá-lo para frente jamais.

grande abraço
Fernando

17 comentários:

  1. Ola Fernando,
    Sou contra qualquer tipo de violência.
    O amor, o respeito, a educação não é conquistada
    assim, mas com muita paciência, sabedoria, amor, dialogo e etc..
    Não a violencia.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Essas coisas opostas que presenciamos nesse espetáculo sem ensaios que é a vida real.
    Parece até injusto que uns tenham tanto e outros tão pouco. Não há motivo algum que justifique espancar uma criança, um filho sob qualquer circunstância´é uma benção, mas é claro que nem todo mundo pensa assim por n motivos.

    Gostei muito do teu texto Fernando, mostrando as duas faces da vida de uma vez só. Muito bom.

    Abraços
    www.eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Sou contra a violência, nunca recebi palmadas dos meus pais, e sim conversas que me fizeram ser um filho bom, ou ao menos tento. Acho que nada melhor que um bom dialogo. E quando tiver meus filhos, também farei o mesmo. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. De arrepiar seu texto! Vejo a desigualdade, enquanto um bebê é tratado com todo carinho, por outro lado crianças apanham covardemente! Isso é mt triste! :/

    Adolecentro

    ResponderExcluir
  5. Adorei, sou totalmente contra essa história de bater para educar, os pais pensam que estão criando respeito, mas estão nutrindo medo e talvez raiva, claro que talvez seja preciso uma palmada, mas o dialogo é tudo
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Poxa vida, que triste isso. =/
    Os meus pais sempre me castigavam. Se eu apanhei alguma vez na vida, deve ter sido 1 ou 2 vezes, de vez em quando um beliscam no meio da rua kkkk, mas era raro.
    É uma pena que alguns pais ainda batam em seus filhos com tamanha brutalidade.

    ResponderExcluir
  7. Meus pais não me batiam, mas sempre que precisava de uma boa correção, eles conversam comigo, até hoje é assim. Não acredito que bater corrige uma criança, isso irá torná-la mais desobediente e agressiva.

    http://senhoritapriscila.blogspot.com
    Curti a fan page? (www)
    @priscilafrr,
    beijo.

    ResponderExcluir
  8. Adorei demais o texto, sou contra qualquer violência, pra mim violência gera violência e isso é fato né.
    Beijinhos
    Facebook do blog
    Participe do primeiro sorteio do blog, um papel de parede da sua escolha! E só clicar aqui.
    conversando-com-a-lua.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Parece absurdo, mas isso é mais comum do que se pensa.
    Uma vez vi uma mulher bater numa criança de colo.
    Olhei com uma cara séria e ela me olhou e disse:Venha ter seus filhos para depois me ensinar a educar os meus.
    Eu disse a ela:Até lá será tarde demais.

    ResponderExcluir
  10. "Aprenda com os erros dos outros. Você não terá tempo de errar tanto assim."
    Parece que não fui a única a ouvir este ensinamento (:

    ResponderExcluir
  11. Gostei do que está escrito, mas correções as vezes são necessárias, na minha opinião.

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  12. Não é com pancada que se educam as crianças,muito menos adolescentes.Em vez de respeito traz ódio.

    ResponderExcluir
  13. Educar filhos nunca foi fácil, uns pecam pelo excesso de cuidados, outro por trata-los de forma rude.
    Quem ama educa =)

    ResponderExcluir
  14. Oi,Fernando.

    Adorei seu blog e já o sigo.Se gostou do meu,faz o mesmo,ok?

    Obrigada pela visita e volte sempre!

    Um Novo Ano de Paz!

    Beijinhos e ótimo domingo

    Dryka

    Tenho face Book (Tem atalho à direita de meu blog)


    Blog Suas Histórias Nossas Histórias



    ResponderExcluir